ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA
TRANSCRANIANA - EMT

O QUE É ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRANSCRANIANA?

  A Estimulação Magnética Transcraniana é um tratamento para doenças neurológicas e psiquiátricas, que vem sendo utilizada com resultados satisfatórios em vários países do mundo, e que teve aprovação pela ANVISA para uso no Brasil em 2007. Em 2012, foi publicada a resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) para uso terapêutico.

  A EMT é feita através de um equipamento de neuromodulação não invasiva, capaz de induzir no córtex cerebral pulsos de microcorrentes elétricas, idênticas às geradas no funcionamento normal do cérebro sendo que, os pulsos magnéticos permitem induzir essas correntes de maneira repetitiva em regiões específicas do córtex. Essas regiões são localizadas com medidas a partir de pontos de referência na cabeça e a aplicação é feita por aproximação de uma bobina.

 Existem dois tipos principais de Estimulação Magnética Transcraniana, a de pulso único e a de pulso de repetição (EMTr).

 

O QUE FAZ EM MEU CÉREBRO A ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRASNCRANIANA?

  Sessões repetitivas de EMTr tendem a produzir alterações persistentes da atividade cerebral do córtex onde são aplicadas e no modo, como essa região interage com outras áreas cerebrais. Os mecanismos celulares que explicam essa persistência são os mesmos envolvidos na formação de memórias e hábitos: modulação de sinapses.

  Com a EMTr, conseguimos estimular o alvo principal que está sem cumprir efetivamente suas funções evitando assim, estimular ou ativar desnecessariamente outras áreas ou circuitos cerebrais.

 

QUAIS SÃO OS BENEFÍCIOS DO TRATAMENTO COM A ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRASCRANIANA?

  • Tratamento seguro, não invasivo, não requer anestesia ou internação;

  • Técnica reconhecida pelo FDA, ANVISA e CFM;

  • Eficácia de tratamento comprovada, mesmos em pacientes considerados refratários no tratamento com medicamentos;

  • Ausência ou pouquíssimos efeitos colaterais (pode ocorrer leve desconforto nas primeiras aplicações e dor de cabeça passageira);

  • Resposta rápida ao tratamento (normalmente após uma semana de aplicações, os pacientes já apresentam melhoras significativas);

  • Não é preciso interromper o tratamento com medicamentos para iniciar a EMTr;

  • Tratamento definido individualmente para cada paciente;

  • Tratamento não limitador, podendo realizar as atividades rotineiras normalmente logo após o término da sessão (por ex: trabalhar, estudar);

  • Após o tratamento inicial (geralmente de 12 à 20 sessões), o psiquiatra avalia qual será o programa de manutenção.

 

 

EXISTE ALGUM RISCO PARA MINHA SAÚDE?

 A Estimulação Magnética Transcraniana (EMTr) é uma técnica de neuromodulação não invasiva que pode ser aplicada em ambiente ambulatorial de consultório com segurança e mínimo grau de desconforto, sem necessidade de sedantes ou anestésicos.

 Pode ocorrer leve desconforto na cabeça principalmente nas primeiras sessões, mas geralmente logo desaparece. E em raros casos pode ocorrer quadros de sincopes ou convulsões.

COMO SURGIU? HISTÓRIA:

Para entender o futuro é necessário conhecer o passado”- Isso se encaixa perfeitamente à evolução da neuromodulação não invasiva, que nasceu junto com o advento da própria eletricidade – reflexo da Revolução Industrial na Europa e nos Estados Unidos – declinou transitoriamente com a “era da farmacoterapia moderna” e ressurgiu das cinzas como uma promissora alternativa a esta última. Além da refratariedade com relação ao uso dos psicofármacos, esses são geralmente custosos e indutores de efeitos colaterais que limitam seu uso prolongado, abrindo espaço para tratamentos não farmacológicos.

 As primeiras tentativas de estimulação cerebral usando campos magnéticos datam de 1896, por Arsène d’ Arsoval em Paris e de 1910, por Silvanus P Thomson, em Londres. No entanto a primeira Estimulação Magnética Transcraniana bem sucedida foi realizada em 1985, por Anthony Barker e colaboradores em um hospital da Inglaterra. Suas primeiras aplicações demonstravam que impulsos nervosos iam do córtex motor para a medula espinal, nervo periférico e músculo, sendo capazes de gerar contrações de extremidades dependendo da intensidade da corrente e da localização da bobina. Do dia para a noite, Barker virou uma celebridade no mundo científico, sendo frequentemente visto em congressos pelo mundo, dando demonstrações bastante teatrais sobre a EMT e resgatando um pouco do caráter de entretenimento dos primórdios da neuromodulação.

 Um dos pesquisadores mais notáveis é o professor valenciano radicado nos Estados Unidos Álvaro Pascual-Leone (1961), que publicou o primeiro artigo relevante sobre o papel terapêutico da EMTr, dando grande visibilidade à Neuromodulação não invasiva como um todo no mundo científico e leigo internacionais.

 Em 1992, a Estimulação Magnética Transcraniana começou a ser aplicada na psiquiatria com resultados promissores no tratamento da depressão, esquizofrenia e outras doenças.

 Em 2002, a técnica foi reconhecida no Canadá e pelo FDA (Food and Drug Administration), agência reguladora dos EUA, em 2008. No Brasil, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) registrou o aparelho de Estimulação Magnética Transcraniana em março de 2007 (registro número: 80342230003).

 Outro marco importante foi o reconhecimento da Estimulação Magnética Transcraniana pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), em maio de 2012. "A Resolução CFM nº 1986 de 2012 caracteriza a Estimulação Magnética Transcraniana como ato médico e reconhece sua eficácia no tratamento da depressão unipolar e bipolar e da esquizofrenia (nas alucinações auditivas)".

 

 Em dezembro de 2012, a Câmara Técnica Permanente da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM), na Resolução AMB Nº 13 aprovou o reembolso dos planos de saúde para o tratamento com Estimulação Magnética Transcraniana.

 

 

QUAIS OS USOS DA ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRANSCRANIANA?

 É um tratamento terapêutico com resultados satisfatórios nos pacientes com depressão, mesmo que não tenham respondido ou tolerado a uma ou mais medicações. O tratamento com Estimulação Magnética Transcraniana é considerado um método potente e seguro, com classificação ¨A¨, adotada pelo Food and Drug Administration (FDA - Estados Unidos). No Brasil, tem a aprovação das autoridades pertinentes da área como a ANVISA e o Conselho Federal de Medicina.

 

OUTRAS APLICAÇÕES DA ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRANSCRANIANA

 A EMTr também vem sendo utilizada em caráter de estudo, em  condições que levam o paciente a sofrer dor crônica, como a Fibromialgia ou dores Neuropáticas (provocadas por alguma lesão ou disfunção do sistema nervoso) e é reconhecida por ser  um método eficaz. Na maior parte dos pacientes, o alívio obtido é de grau moderado e tipicamente são necessárias poucas sessões, para observar se o paciente é um respondedor ao tratamento. Este tratamento também está sendo utilizado nos Transtornos Obsessivo Compulsivos (TOC) onde, a Estimulação Magnética Transcraniana é aplicada em conjunto com um protocolo comportamental ou seja, antes da sessão o profissional submete o paciente a provocação de sintomas com base em obsessões ou compulsões especificas e logo após a provocação, é aplicada a sessão de EMTr. O tratamento de TOC requer 30 sessões de indução. Cerca de 70% dos pacientes tem melhoras superior a 30% na escala Yale-Brown, que mede os sintomas de TOC.

 

 

 

 

 

 

 

 Certos protocolos de EMTr podem ser considerados ou estão em investigação na reabilitação motora após Acidente Vascular Cerebral (AVC), na melhora de sintomas motores da Doença de Parkinson, no tratamento de adição a drogas, distúrbios alimentares, tinitus (zumbido no ouvido) e sintomas negativos da esquizofrenia ou alucinações auditivas.

 

TODOS OS PACIENTES PODE REALIZAR A EMTr?

 A Estimulação Magnética Transcraniana não é indicada a pessoas que sofreram algum tipo de neurocirurgia (com clipe metálico inserido), que possuem aparelho biomédico (como marca-passo) e em casos de epilepsia não tratada. Cada caso deve ser avaliado individualmente pelo médico psiquiatra.

QUAIS SÃO OS EFEITOS COLATERAIS DA ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRANSCRANIANA?

 A Estimulação Magnética Transcraniana praticamente não apresenta efeitos colaterais e é bem tolerada pelos pacientes. Algumas pessoas podem ter leves dores de cabeça e vermelhidão no local da aplicação, que melhoram com analgésicos comuns. Pode surgir certo desconforto no ouvido, em decorrência do barulho produzido pelo estimulador, mas este pode ser evitado com a utilização de protetores auriculares.

 

QUEM REALIZA AS APLICAÇÕES DE ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRANSCRANIANA?

 Conforme a resolução do CFM (Conselho Federal de Medicina), as sessões de Estimulação Magnética Transcraniana devem ser realizadas pelo médico. É um procedimento que trata doenças, gera efeitos terapêuticos, efeitos colaterais e alguns riscos por isso, é fundamental que as aplicações sejam realizadas por médicos devidamente treinados.

 

COMO SÃO AS APLICAÇÕES DE ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRANSCRANIANA?

 O tratamento de Estimulação Magnética Transcraniana é realizado no consultório, com o paciente acordado e sentado em uma poltrona. Ao término da sessão o paciente pode voltar para casa lembrando que, antes do início e ao longo do tratamento, é devidamente acompanhado pelo psiquiatra.

QUANTAS SESSÕES DE ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRANSCRANIANA SÃO NECESSÁRIAS?

 O número de aplicações de Estimulação Magnética Transcraniana não segue um padrão determinado e há um consenso de que não deve ser previamente fixado, pois depende de vários fatores como o diagnóstico, gravidade, refratariedade e cronicidade. Mas pode-se dizer que a maioria dos pacientes requer uma média de 20 sessões.

 

QUAL É A FREQUÊNCIA DAS APLICAÇÕES DE ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRANSCRANIANA ?

 As sessões de Estimulação Magnética Transcraniana são diárias (de segunda a sexta-feira com intervalo aos fins de semana), até que o efeito terapêutico seja atingido. Após a etapa inicial será ministrado um tratamento de manutenção com sessões gradativamente espaçadas.

 

QUAL É A DURAÇÃO DA SESSÃO DE ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRANSCRANIANA?

 Cada sessão de Estimulação Magnética Transcraniana dura, aproximadamente 30 minutos.

 

EXISTE ALGUM TIPO DE CUIDADO ESPECIAL COM A ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRANSCRANIANA?

 Durante o tratamento com Estimulação Magnética Transcraniana as atividades rotineiras dos pacientes podem ser seguidas normalmente, como trabalhar, estudar, se exercitar, etc.

 

QUAL É A EFICÁCIA DO TRATAMENTO DE ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRANSCRANIANA?

 Em primeiro lugar é preciso dizer que a eficácia da Estimulação Magnética Transcraniana está relacionada à indicação correta, diagnóstico, gravidade, cronicidade, refratariedade de cada caso, número adequado de sessões, aplicação correta da técnica, entre outros. A taxa de eficácia gira em torno de 50 a 70%.

 

COMO É FEITO O TRATAMENTO DE MANUTENÇÃO DA ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRANSCRANIANA?

 Quando há resposta positiva com a Estimulação Magnética Transcraniana, recomenda-se a manutenção das aplicações com redução gradativa na frequência, que pode ser semanal, quinzenal ou mensal, conforme avaliação e indicação.

 

 

POSSO TOMAR MINHAS MEDICAÇÕES DURANTE AS APLICAÇÕES DE ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRANSCRANIANA?

 Em geral as medicações podem ser continuadas ao longo das sessões de Estimulação Magnética Transcraniana. No entanto, cada caso deve ser avaliado individualmente.

 

A ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRANSCRANIANA É UM TRATAMENTO SEGURO?

 Sim, a Estimulação Magnética Transcraniana é um tratamento seguro. Porém, é importante ser realizado por médicos especialistas conforme determinado pela resolução do CFM.

 

É RECONHECIDA PELO CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM)?

 A Estimulação Magnética Transcraniana (EMT) é um tratamento reconhecido pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), resolução número 1.986/2012 e o aparelho de EMT está registrado na ANVISA sob número 80342230003.

 

 Resolução Normativa CNHM Nº 013/2013:

 Inclusão da Estimulação Magnética para reembolso dos planos de saúde
 

 A sessão de Estimulação Magnética Transcraniana foi incluída na Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM) * em janeiro de 2013:

Código: 2.01.04.41-3

Procedimento: Estimulação magnética transcraniana superficial (repetida) – EMT

Porte: 3C

Custo Operacional: 5,3

Definição de diagnóstico incluídos – descrição:

Depressão – CID-10

F06.3 Transtornos do humor [afetivos] orgânicos

F34 Transtornos de humor [afetivos] persistentes

F34.8 Outros transtornos do humor [afetivos] persistentes

F34.9 Transtorno do humor [afetivo] persistente não especificado

F38.0 Outros transtornos do humor [afetivos] isolados (Episódio afetivo misto)

F38.1 Outros transtornos do humor [afetivos] recorrentes (Episódio depressivo recorrente breve)

F38.8 Outros transtornos especificados do humor [afetivos]

F39 Transtorno do humor [afetivo] não especificado (Psicose afetiva SOE)

F31.3 Transtorno afetivo bipolar, episódio atual depressivo leve ou moderado

F31.4 Transtorno afetivo bipolar, episódio atual depressivo grave sem sintomas psicóticos

F31.5 Transtorno afetivo bipolar, episódio atual depressivo grave com sintomas psicóticos

F31.7 Transtorno afetivo bipolar, atualmente em remissão

F31.9 Transtorno afetivo bipolar não especificado
 

Alucinações auditivas em esquizofrenia – CID-10

F20.1 Esquizofrenia hebefrênica

F20.2 Esquizofrenia catatônica

F20.3 Esquizofrenia indiferenciada

F20.5 Esquizofrenia residual

F20.6 Esquizofrenia simples

F20.9 Esquizofrenia não especificada

 

 

Confira a resolução completa do CFM Aqui!

 

 

© 2020 CPNA Orgulhosamente criado pela @a

Seguir

Entre em contato para mais informações

  • Instagram
  • Wix Facebook page

Horário de Funcionamento

Seg à Sex: 08:30 - 18:00

Sábado: 08:00 - 12:00